Brasil cai em grupo chatinho na Copa de 2018

 

Sorteio1

A organização da Copa do Mundo de 2018 realizou nesta sexta-feira (1/12) o sorteio dos grupos do Mundial. O sorteio foi comandado pelo ex-atacante inglês Gary Lineker (artilheiro da copa de 1986) e teve outros oito ex-jogadores para pegar as bolinhas: o inglês Gordon Banks (campeão do mundo em 1966), o uruguaio Diego Forlán, o espanhol Carles Puyol (campeão do mundo em 2010), o francês Laurent Blanc (campeão do mundo em 1998), o brasileiro Cafu (campeão do mundo em 1994 e 2002), o italiano Fabio Cannavaro (campeão do mundo em 2006), o argentino Maradona (campeão do mundo em 1986) e o russo Nikita Simonian, 91 anos, que disputou a Copa do Mundo de 1958 pela União Soviética. A eles coube colocar o Brasil num grupo “chatinho”, o E.

Chatinho porque os três adversários – Suíça, Costa Rica e Sérvia – jogam fechadinhos. E é bom lembrar que a Costa Rica tem praticamente o mesmo time que aplicou o maior combo de zebras em uma Copa do Mundo: e 2014, derrotou Uruguai e Itália e empatou com Inglaterra e Holanda. A Suíça joga aquele futebol feinho, mas dificilmente leva gols. E a Sérvia também pratica um futebol de jogo duro.

Na história das Copas, o Brasil só registrou um jogo fácil contra esses três adversários: a vitória de 5 a 2 sobre a Costa Rica em 2002. O outro duelo contra os costarriquenhos, em 1990, terminou 1 a 0 para o Brasil, com um golzinho chorado de Müller – a bola só entrou porque desviou em um zagueiro. A Sérvia traz consigo o histórico da Iugoslávia, que nunca foi um adversário muito fácil. Os Iugoslavos venceram o Brasil em 1930 (2 a 1) e arrancaram dois empates – 1 a 1 em 1954 e 0 a 0 em 1974. O Brasil venceu apenas em 1950 (2 a 0). Já a Suíça só enfrentou o Brasil uma vez em Mundiais, em 1950, e o jogo terminou empatado em 2 a 2.

Na Copa, o Brasil estréia no dia 17 de junho, diante da Suíça, em Rostov. Depois, enfrenta Costa Rica no dia 22, em São Petersburgo. Encerra a participação na primeira fase diante da Sérvia, em Moscou. Se ficar em primeiro, tende a enfrentar a Alemanha apenas na final da Copa – desde que os alemães fiquem em primeiro em sua chave, logicamente.

Outros grupos

Numa Copa sem Itália, Holanda, Chile e Estados Unidos, não se criou nenhum “grupo da morte”. Os mais equilibrados são os da Argentina e da Alemanha. Por outro lado, há grupos considerados fracos, como os da Rússia e da França.

Grupo A

Sem um cabeça-de-chave forte – no caso, o país-sede Rússia –, o Uruguai se deu bem. É a única equipe respeitável em um grupo fraco, que ainda tem Arábia Saudita e Egito. O fator casa pode ajudar a Rússia a ficar em segundo lugar.

Grupo A

Portugal e Espanha largam como favoritos, mas não nessa ordem; a Espanha tem mais time e ainda traz remanescentes do título de 2010. Marrocos e Irã aparecem como figurantes. Se um deles se classificar, é zebra.

Grupo C

A França deve sobrar em outro grupo fraco. Austrália, Peru e Dinamarca estão muito abaixo. Os dinamarqueses levam uma ligeira vantagem em relação aos adversários.

Grupo D

A Argentina é favorita em um grupo que não é tão fácil quanto parece. A Croácia sempre tem potencial para incomodar. A estreante Islândia ficou acima da Croácia no grupo das Eliminatórias. E ainda há a sempre temida Nigéria – se bem que a Nigéria enfrentou a Argentina quatro vezes desde 1994 e perdeu todas.

Grupo F

Assim como em 2014, a Alemanha surge como grande favorita num grupo com três adversários imprevisíveis: México, Suécia e Coreia do Sul. Em tese, o México é a segunda força, mas é bom lembrar que a Suécia eliminou a Itália – e ainda lida com a possibilidade, hoje remota, de contar com o atacante Ibrahimovic. E a Coreia do Sul já surpreendeu adversários mais fortes em 2010.

Grupo G

Cabeça-de-chave, a Bélgica deve fazer jus à fama, deixando a Inglaterra em segundo lugar. Tunísia e Panamá já se dão por contentes de estarem na Copa.

Grupo H

Num grupo sem ninguém com tradição, a Polônia é cabeça-de-chave. Não será surpresa se perder a primeira vaga do grupo para a Colômbia. Senegal e Japão aparecem como incógnitas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *