Chora, Itália. Azzurra está fora da Copa de 2018

Buffon

A Itália chorou.

Tetracampeã mundial (1934, 1938, 1982 e 2006), a seleção italiana não irá à Copa do Mundo de 2018, na Rússia. Nesta segunda-feira (13), o time empatou com a Suécia em 0 a 0, no estádio San Siro, em Milão, pela repescagem europeia. Aliado a uma derrota – 1 a 0 para os suecos no jogo de ida, em Solna –, o empate tirou a Itália. A Azzurra foi traída pelo próprio sangue quente, já que o nervosismo construído na partida de ida voltou a aparecer e foi o que a impediu de levar perigo real ao gol adversário. Não faltou pressão, marcação adiantada, gritos com os companheiros e choro no hino; em resumo, não faltou nada à Itália. Só gols e bom futebol.

O resultado tira a seleção italiana da Copa do Mundo pela primeira vez desde 1958 – edição que, ironicamente, foi disputada na Suécia.Na Itália, a imprensa tratou a eliminação como um “apocalipse”. Já os suecos voltam ao Mundial depois de ficarem fora em 2010 e 2014.

A queda de uma camisa tradicional tira um pouco do brilho na Copa. Mas a Itália há tempos acumula resultados ruins. Caiu na primeira fase dos Mundiais de 2010 e 2014. Agora, nem isso: acumulou o vexame de cair nas Eliminatórias, mesmo com 31 vagas em jogo (13 no caso da Europa). Parte da culpa é da Fifa. O sorteio dos grupos do classificatório, feito com base no ranking da entidade, não leva em conta a tradição das equipes. A Itália caiu no mesmo grupo da Espanha – que acabou se classificando. Enquanto isso, formaram-se grupos com equipes menos cotadas. A chave E, por exemplo, tinha Polônia, Dinamarca, Montenegro, Romênia, Armênia e Cazaquistão. Juntas, essas equipes têm apenas uma presença nas duas últimas Copas (Dinamarca, em 2010).

A se lamentar, a ausência do goleiro Buffon, 39 anos, nos gramados da Rússia. Se a Itália se classificasse, ele teria a chance de ser o primeiro jogador da história a disputar seis Copas do Mundo – esteve em 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014. Como não irá ao Mundial de 2018, ele anunciou ainda à beira do campo que foi seu último jogo pela seleção italiana. “Eu não sinto muito por mim, mas por todo o futebol italiano. Não é triste que o tempo passe, mas sim que eu tenha que terminar deste jeito. Eu sinto muito pela Itália e sinto muito que o meu último jogo oficial tenha sido a não-classificação para a Copa do Mundo”, falou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *