Brasil trata Bolívia e Venezuela como já foi normal um dia

gabriel-jesus

A seleção brasileira enfrentou Bolívia e Venezuela nas duas últimas rodadas das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. E tratou-as como já foi normal um dia: venceu os dois sem nenhum susto.

No dia 6, goleou a Bolívia por 5 a 0, em Natal.

No dia 11, derrotou a Venezuela por 2 a 0, na casa deles, em Mérida.

Parece pouco. Não mais que a obrigação. E é mesmo.

Mas o histórico recente de jogos contra esses dois adversários em Eliminatórias indica que nos últimos tempos não é normal vencer os dois em sequência. Na última vez que o Brasil enfrentou Bolívia e Venezuela em sequência, o técnico era Dunga e a seleção perdeu para a Bolívia (2 a 1), fora de casa, e empatou com a Venezuela (0 a 0), em casa. Verdade que àquela altura a equipe já estava classificada para o Mundial de 2010.

Mas, na vez anterior, quando o Brasil ainda não estava classificado, o técnico era Dunga e a equipe não passou de um empate sem gols contra os bolivianos, em solo brasileiro. Para depois golear a Venezuela por 4 a 0.

Contra os bolivianos, o Brasil abriu 4 a 0 ainda no primeiro tempo, gols de Neymar, Philippe Coutinho, Filipe Luís e Gabriel Jesus. Na etapa final, fez mais um, com Roberto Firmino. O jogo foi útil também para Tite testar um substituto para Neymar, que levou o segundo cartão amarelo e iria desfalcar o time contra os venezuelanos. Neymar tomou o cartão pelo mesmo motivo de sempre: caiu na provocação adversária. Há quem diga que ele forçou o cartão para cumprir suspensão contra a Venezuela e estar disponível na próxima partida, diante da Argentina, em novembro.

Diante dos venezuelanos, o Brasil deu sorte no começo, quando o goleiro deu uma bola no pé de Gabriel Jesus, livre. E ele fez bonito, ao tocar por cobertura. Mas o time não chegou a se impor, como fizera ante os bolivianos. No segundo tempo, Willian – que substituía o suspenso Neymar – fez 2 a 0. Aos 26 minutos, a luz se apagou no estádio de Mérida. Restabelecida a iluminação, o resto do jogo ainda foi disputado, mas com pressão dos venezuelanos. O resultado ao menos deixou o Brasil em primeiro no classificatório, com 21 pontos, um à frente do Uruguai.

 

Atuações do Brasil contra a Bolívia

Alisson 6,0 Não teve que trabalhar praticamente nada
Daniel Alves 7,0 Apoiou bem, deu um de calcanhar no lance do 2º gol e ainda controlou Neymar
Marquinhos 6,5 Sobressaiu-se contra os atacantes bolivianos
Miranda 6,5 Jogou firme e também se sobressaiu
Filipe Luís 7,0 Apoiou bem e fez um gol. Um errinho na defesa
Fernandinho 6,5 Atuação segura como primeiro volante
Giuliano 6,5 Decisivo no lance do 2º gol. Perdeu um gol no 2º tempo
Lucas Lima Sem nota Entrou aos 31-2º, com o jogo já decidido
Renato Augusto 7,0 Controlou o meio-de-campo, com passes e boa movimentação
Philippe Coutinho 7,0 Fez um gol e deu fluência ao setor ofensivo
Gabriel Jesus 7,0 Marcou um gol e deu bons passes
Roberto Firmino 7,0 Entrou aos 23-2º. Marcou um gol de cabeça, que não é seu estilo
Neymar 8,0 Fez um gol e deu outros dois de presente
William 6,0 Entrou aos 23-2º. Esforçado

 

Atuações do Brasil contra a Venezuela

Allison 6,5 Uma defesa difícil fim do jogo
Daniel Alves 5,5 Discreto no apoio, irregular na marcação
Marquinhos 6,0 Esteve firme na maioria dos lances
Miranda 6,5 Jogou de forma tranqüila, mesmo na pressão
Filipe Luís 6,0 Razoável no apoio. Apenas um erro na defesa
Fernandinho 6,0 Fez seu papel como primeiro volante
Paulinho 5,0 Perdeu dois gols, um deles cara a cara com o goleiro
Renato Augusto 6,0 Deu o passe para o 2º gol
Willian 6,5 Irregular no 1º tempo, melhorou no 2º. Fez um gol
Taison sem nota Entrou aos 44-2º. Jogou pouco tempo
Gabriel Jesus 7,0 Ganhou um gol de presente e fez bonito. Ainda deu bons passes no ataque
Philippe Coutinho 5,5 Individualista em alguns lances
Giuliano sem nota Entrou aos 37-2º. Jogou pouco tempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *