Perdas da Copa do Mundo em 2014

O ano de 2014 passou e houve muitas perdas. Perdas, no caso, não no sentido dos 7 a  1, mas no sentido de pessoas que o mundo do futebol perdeu. Alguns casos foram dolorosos, como o português Eusébio, o brasileiro Bellini ou o argentino Di Stefano.

5/1 – Eusébio (n.1942), atacante português, artilheiro da Copa de 1966. Fez 9 gols em 6 jogos. Em 1965, venceu a Bola de Ouro da France Football – o equivalente a melhor jogador do mundo na época. Ficou em segundo lugar no prêmio em 1962 e 1966.

19/1 – Bert Williams (n.1920), goleiro inglês da Copa de 1950. Levou dois gols em 3 jogos – um deles, no jogo Inglaterra 0 x 1 Estados Unidos, considerado uma das maiores zebras de todos os tempos.

24/1 – Abdelkader El Brazi (n.1964), goleiro reserva de Marrocos na Copa de 1998.

1/2 – Luis Aragonés (n.1938), técnico da Espanha na Copa de 2006 e campeão europeu em 2008.

5/2 – Carlos Borges (n.1932), atacante uruguaio na Copa de 1954 (5 jogos, 4 gols).

8/2 – Philippe Mahut (n.1956), lateral-esquerdo francês na Copa de 1982 (1 jogo).

14/2 – Tom Finney (n.1922), atacante inglês. Disputou as Copas de 1950 (3 jogos), 1954 (3 jogos, 1 gol) e 1958 (1 jogo, 1 gol).

25/2 – Mario Coluna (n.1935), meia português – assim como Eusébio, tinha origem moçambicana. Disputou 6 jogos em 1966.

12/3 – Rene Llense (n.1913), goleiro francês. Reserva de Alex Thépot nas Copas de 1934 e 1938. Morreu com 100 anos.

20/3 – Bellini (n.1930), zagueiro brasileiro. Titular nas Copas de 1958 (6 jogos), na qual foi o capitão, e 1966 (2 jogos) e reserva em 1962. Criou o gesto de erguer a taça, imitado por todos os capitães de todas as equipes desde então.

27/3 – Augustin Deleanu (n.1944), reserva na seleção da Romênia na Copa de 1970.

24/4 – Sandy Jardine (n.1948), zagueiro da Escócia nas Copas de 1974 (3 jogos) e 1978 (1 jogo).

27/4  – Vujadin Boskov (n.1931), médio-esquerdo da seleção da Iugoslávia nas Copas de 1954 (3 jogos) e 1958 (4 jogos).

1/5 – Georg Stollenwerk (n.1942), lateral-direito da Alemanha na Copa de 1958 (6 jogos).

21/5 – Duncan Cole (n.1958), inglês de nascimento, foi zagueiro da Nova Zelândia na Copa de 1982 (3 jogos). Entrou no aos 32-2º do jogo com o Brasil.

23/5 – Joel Camargo (n.1942), zagueiro reserva do Brasil na Copa de 1970. Morreu dias depois de a revista Placar publicar uma matéria sobre ele.

1/6 – Marinho Chagas (n.1952), lateral-esquerdo do Brasil na Copa de 1974 (7 jogos). Há quem diga que foi o melhor daquela Copa. Contudo, o melhor da posição foi o alemão Paul Breitner.

1/6 – Antonio Rada (n.1937), atacante da Colômbia na Copa de 1962 (2 jogos, 1 gol).

13/6 – Guyla Grosics (n.1926), goleiro da Hungria nas Copas de 1954 (5 jogos, 10 gols sofridos), 1958 (3 jogos, 5 gols sofridos) e 1962 (3 jogos, 2 gols sofridos). Último remanescente do esquadrão húngaro no Mundial de 1954. Primeiro goleiro a sair jogando com os pés em Copas.

17/6 – Jorge Romo (n.1923), cubano de nascimento, defendeu a seleção do México nas Copas de 1954 (2 jogos) e 1958 (2 jogos).

7/7 – Alfredo Di Stefano (n. 1926), argentino de nascimento. Nunca disputou uma Copa. Não houve torneio em 1946. A Argentina não se inscreveu para 1950. Naturalizado espanhol, viu o país ficar de fora em 1954 e 1958. Em 1962, aos 36 anos, fazia parte do elenco, mas uma lesão o impediu de entrar em campo. Venceu duas vezes (1957 e 1959) a Bola de Ouro da France Football. Morreu dois dias antes da seleção argentina entrar em campo pelas semifinais da Copa de 2014.

14/7 – Horacio Troche (n.1935), zagueiro uruguaio nas Copas de 1962 (3 jogos) e 1966 (4 jogos).

16/7 – Julio Abbadie (n.1930), atacante uruguaio na Copa de 1954 (4 jogos, 2 gols).

9/8 – Andrei Bal (n.1958), meio-campista da União Soviética nas Copas de 1982 (4 jogos, 1 gol) e 1986 (2 jogos). Em seu histórico pela seleção, marcou apenas um gol – o frango que Valdir Peres engoliu no confronto Brasil 2 x 1 União Soviética.

11/8 – Vladimir Beara (n.1928), croata de nascimento, goleiro da Iugoslávia nas Copas de 1950 (não jogou), 1954 (3 jogos, 3 gols sofridos) e 1958 (4 jogos, 6 gols sofridos). Primeiro jogador da Iugoslávia (e países desmembrados) a estar em três Copas do Mundo.

14/8 – Javier Guzman (n.1945), zagueiro do México na Copa de 1970 (4 jogos).

13/9 – Milan Galic (n.1938), sérvio de nascimento, atacante da Iugoslávia na Copa de 1962 (6 jogos, 3 gols). Em 2008, “ganhou” da Fifa a autoria de um gol no jogo contra a Colômbia, o que “rebaixou” o colega Jerkovic para 4 gols – com isso, Jerkovic deixou de ser o artilheiro único daquele Mundial.

17/9 – Andriy Gusin (n.1972), volante da Ucrânia na Copa de 2006 (5 jogos).

3/10 – Jean-Jacques Marcel (n.1931), meio-campista da França nas Copas de 1954 (2 jogos) e 1958 (6 jogos).

4/10 – Fyodor Tcherenkov (n. 1959), atacante da União Soviética. Entra na lista por ser uma espécie de “Alex” soviético. Tem mais de 40 partidas pela seleção e estava em alto nível na época das Copas do Mundo de 1982, 1986 e 1990. Foi relegado em todas, mas curiosamente apareceu nos álbuns oficiais da Panini das duas últimas.

11/10 – Carmelo Simeone (n.1933), reserva da Argentina na Copa de 1966.

12/10 – Roberto Telch (n. 1943), meio-campista da Argentina na Copa de 1974 (5 jogos).

29/10 – Klas Ingesson (n. 1968), meia da Suécia nas Copas de 1990 (3 jogos) e 1994 (7 jogos).

8/11 – Hugo Sánchez Portugal (n. 1984), filho do atacante mexicano Hugo Sánchez (Copas de 1978, 1986 e 1994).

12/11 – Viktor Serebryanikov (n. 1940), ucraniano de nascimento, foi meia da União Soviética nas Copas de 1962 (nenhum jogo), 1966 (2 jogos) e 1970 (2 jogos). Foi o primeiro jogador a ser substituído em Mundiais – no intervalo do jogo com o México, deu lugar a Puzach.

28/11 – Lucidio Sentimenti (n. 1920), goleiro da seleção italiana na Copa de 1950 (1 jogo, 3 gols sofridos).

21/12 – Åke Johansson (n. 1928), reserva na seleção da Suécia de 1958.

28/12 – Javier Fragoso (n. 1942), atacante do México nas Copas de 1966 (1 jogo) e 1970 (4 jogos, 1 gol).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display