Itália 0 x 1 Uruguai. Com unhas e dentes

“Irregular, a equipe parece jogar apenas sob pressão”. Não há frase que defina melhor a seleção uruguaia. O time perdeu o jogo em que, em tese, deveria ganhar ao natural (1 x 3 Costa Rica) e venceu quando enfrentou um adversário de porte (2x 1 Inglaterra). Diante da Itália, em que o triunfo era necessário para a classificação – a Azzurra jogava pelo empate –,  o time do técnico Oscar Tabarez arrancou um placar de 1 a 0 com unhas e dentes.

Literalmente.

Porque o lance que marcou a partida não foi o gol de costas de Godín, nem a expulsão de Marchisio, a primeira na carreira. Foi uma mordida – ao menos, é o que as câmeras de TV indicam – do atacante Suárez no zagueiro italiano Chiellini, aos exatos 33min21s do segundo tempo, pouco antes do Uruguai abrir o placar. É possível que a Fifa prepare uma punição, até pela reincidência. Ele mordeu um adversário quando jogava no Ajax e outro (no caso, o lateral Ivanovic, do Chelsea) atuando pelo Liverpool. Se a punição se confirmar, Suárez não deverá enfrentar a Colômbia, pelas oitavas-de-final da Copa.

Armado num 4-4-2, com um volante e uma linha de três meias, o Uruguai conseguiu encaixar a marcação por pressão sobre o 3-5-2 da Itália. Isso deixou o jogo amarrado. Mas a Itália tinha Pirlo “Chuck Norris”, que levou perigo em uma venenosa cobrança de falta, aos 11 minutos. Os uruguaios tiveram chance de gol apenas aos 32 minutos, quando Buffon fez duas defesas seguidas – ele parou um chute de Suárez, que tocou em sua saída, e aparou o rebote que caiu com Lodeiro.

Na etapa final, logo aos 6 minutos, Cavani se enroscou com Chiellini na área e ficou pedindo pênalti. O jogo, retrancado, mudou de cara aos 15 minutos, quando Marchisio deu uma solada no joelho de Arévalo Ríos e levou o cartão vermelho direto.

O Uruguai havia voltado do intervalo num 5-3-2, com a entrada do lateral-direito Maxi Pereira no lugar do meia Lodeiro. Viu-se forçado a mudar — o meia Stuani substituiu o lateral-esquerdo Alvaro Pereira — e tentou ir para cima, mas não sabia exatamente o que fazer quando ia ao ataque. Para piorar, Buffon parou a única finalização precisa dos sul-americanos, num chute de Suárez no canto direito. A pressão da Celeste só deu resultado aos 35 minutos, quando Gastón Ramírez bateu um escanteio e quatro uruguaios subiram ao mesmo tempo na bola. Quem a desviou foi Godín, meio de ombro, meio de costas. A bola caiu no canto esquerdo do goleiro.

Nos últimos minutos, o Uruguai se entrincheirou em sua área e a Itália exerceu pressão. Até até Buffon chegou a ir à área tentar o gol. Mas não deu. Depois do jogo, mais que o placar, a atitude de Suarez ganhou repercussão. Os italianos reclamaram e os uruguaios minimizaram. O único que ficou feliz com a mordida foi um norueguês que apostou, antes da Copa, que o uruguaio faria uma dessas. Ganhou o equivalente a R$ 2 mil.

 

Itália 0 x 1 Uruguai
Itália (3-5-2)
1.Buffon 7
15.Barzagli 6,5
19.Bonucci 6
3.Chiellini 6
4.Darmian 5,5
23.Verratti 6,5
><5.Thiago Motta, 30-2 5,5
8.Marchisio 4
21.Pirlo 6,5
2.De Sciglio 5
17.Immobile 4,5
><10.Cassano, 26-2 5
9.Balotelli 5
><18.Parolo int 5,5
Uruguai (4-4-2)
1.Muslera 6,5
22.Cáceres 7
13.Giménez 6,5
3.Godín 8
6.Alvaro Pereira 6
><11.Stuani, 18-2 6
17.Arévalo Rios 6
20.González 6
14.Lodeiro 6
><16.Maxi Pereira, int 5,5
7.Christian Rodríguez 6
><18.Gaston Ramírez, 33-2 6,5
21.Cavani 5,5
9.Suarez 6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display