Brasil 0 x 0 México. O paredão desempregado

Um misto de respeito e história permeava o confronto entre Brasil e México, que abria a segunda rodada da Copa do Mundo de 2014. Respeito, porque os mexicanos venceram quatro dos últimos10 confrontos – e ainda faturaram a medalha de ouro olímpica em Londres (2012) na final contra os brasileiros. História, porque o Brasil enfrentou o México três vezes em Copas do Mundo e venceu todas sem levar nenhum gol.  No duelo desta terça-feira (17/6), em Fortaleza, apareceu um outro elemento: um goleiro desempregado.

Ochoa, goleiro do México, tinha contrato com o Ajaccio (França). O vínculo expirou em junho e até agora ele não foi procurado por outra agremiação. Como quem quer fazer bonito para assinar com um time, ele fechou o gol diante do Brasil. Fez pelo menos quatro defesas difíceis – uma delas, em cabeçada de Neymar, não tardou a ser exageradamente comparada à defesa que o goleiro inglês Banks executou em uma cabeçada de Pelé, na Copa de 1970.

Armado num 4-3-3, com o meia Ramires no lugar do atacante Hulk (oficialmente poupado), o Brasil demorou a engrenar. E o primeiro lance de perigo foi exatamente a tal cabeçada de Neymar, que obrigou Ochoa a voar no canto direito para defender quase em cima da risca, aos 25 minutos. Foi a primeira de várias intervenções. Aos 43 minutos, ele saiu nos pés de Paulinho e evitou outro gol. Na etapa final, ele defendeu outro chute forte de Neymar e uma cabeçada à queima-roupa de Thiago Silva. Além disso, saiu aos pés de Jô para evitar um lance de perigo.

E o México? Jogando no mesmo 3-5-2 (sim, porque os alas subiam pacas) da estreia, também ameaçou. No primeiro tempo, pouco. Na etapa final, mais. Normalmente em chutes de longe – das 13 finalizações, 11 foram para fora. O goleiro Júlio César estava atento a todos eles. E defendeu o único que realmente foi na meta, de Jiménez, aos 45 minutos da etapa final. Ao fim da partida, algumas conclusões: 1) o Brasil respeitou demais o México; 2) o Brasil não aplicou a superioridade histórica; 3) o Brasil ainda enrosca em seleções taticamente fechadas e não tem apresentado variações para superar esse problema.

Com o empate, o Brasil lidera a chave A, com 4 pontos. Está à frente do México no saldo de gols. Ochoa saiu de campo com um item a mais para colocar no curriculum vitae: acabou eleito pela Fifa o melhor jogador em campo.

Brasil 0 x 0 México
Brasil (4-3-3)
12.Júlio Cesar 6
2.Daniel Alves 5,5
3.Thiago Silva 6,5
4.David Luiz 6
6.Marcelo 6
17.Luiz Gustavo 7
8.Paulinho 4,5
11.Oscar 6
><19.Willian, 38-2 S/N
16.Ramires 5
><20.Bernard, int 5,5
9.Fred 5
><21.Jô, 23-2 4,5
10.Neymar 7
México (3-5-2)
Ochoa 8
Rodríguez 6
Rafa Márquez 6,5
Moreno 6
Aguilar 6
Vázquez 6,5
Herrera 6
><Fabián, 31-2 s/n
Guardado 6,5
Layún 5,5
Giovani dos Santos 5,5
><Jiménez, 39-2 s/n
Peralta 5
><14.Javier Hernández, 29-2 6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display