Brasil vira “vítima” da monocromia da Copa

Camisa amarela, calção branco e meias brancas. Esse será o uniforme da seleção brasileira em duas das três partidas da Copa do Mundo de 2014. A combinação usual – camisa amarela, calção azul e meia branca – só aparecerá uma vez. Assim, o Brasil se assemelha mais à tendência monocromática dos uniformes das seleções, que vai grassar no Mundial. É a melhor maneira de usar apenas tons claros.

A combinação não é nova. Em Copas, o Brasil usou camisa amarela, calção branco e meias brancas diante da Espanha nos Mundiais de 19672, 1978 e 1986 e também contra a Argentina em 1978. Em tempos mais recentes, a seleção vestiu esse traje diante de Itália e Espanha na Copa das Confederações de 2013.

Antigamente, a Fifa ordenava a diferenciação das cores dos uniformes da seguinte forma: a camisa de um tinha que ser diferente da camisa de outro; o calção de um e o de outro, também de cor diferente; a meia, idem. Ponto. Individualmente, as peças não se confundiam dessa forma. Mas nada impedia que a camisa de um tivesse, por exemplo, a cor do calção do outro. Assim, o Brasil poderia jogar de camisa amarela, calção azul e meia branca diante da Itália com camisa azul, calção branco e meia azul – como aconteceu em 1970, 1978, 1982 e 1994.

Hoje não é assim. A norma da Fifa é que nenhuma seleção pode usar uma cor que a outra use. E a maneira mais fácil de resolver isso é uma equipe usar um uniforme inteiro de apenas uma cor e o adversário, um uniforme inteiro de outra cor. Ou, em interpretação livre, “monocromia” de ambos os lados. Na verdade, isso é uma tendência desde 2006. Naquela Copa, a Itália usou cinco vezes um uniforme todo azul – até então, o normal era o calção branco. Portugal jogou sete vezes com um uniforme inteiro vermelho-escuro. E a França vestiu-se com a combinação tracioaional – camisa azul, calção branco e meia vermelha – apenas apenas uma vez. Em quatro jogos, entrou em campo toda de branco (culpa também de uma superstição do técnico Raymond Domenech).

Assim, em 2014, o Brasil vai usar amarelo/branco/branco diante da Croácia, que estará toda de azul (nada da singular camisa quadriculada em vermelho e branco). E também diante de Camarões, que vestirá camisa verde, calções e meias vermelhos – a meia amarela não pode aparecer diante do Brasil. O uniforme tradicional brasileiro só será visto diante do México, que entrará em campo com uma camisa meio laranja, calções pretos e meias da mesma cor da camisa (uma curiosidade: se de fato usar essa combinação, o México será o primeiro país a envergar seis camisas de cores diferentes em Copas; já vestiu grená, verde, branco, preto e a listrada em azul e branco do Cruzeiro de Porto Alegre, em 1950).

A tendência monocromática já ataca outras equipes em 2014. Alemanha e Argentina descartaram os calções pretos nos uniformes número 1 e adotaram calções brancos – e o uniforme 2 argentino é todo azul. A Espanha, que já se vestiu de camisa vermelha, calção azul e meia preta, vai estar todinha de vermelho. A França tende a usar tudo azul escuro. EUA e Inglaterra, tudo branco. Apenas para citar alguns exemplos de equipes que aderiram à monocromia.

O consolo é que, se o Brasil chegar à final contra a Espanha, como muitos projetam, vai poder usar pela primeira vez a tradicional camisa amarela,o calção azul e a meia branca diante de uma Fúria monocromaticamente vermelha…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display