Eusébio, o maior jogador de Portugal

Nem todos os países cravam com clareza quem é o maior jogador de todos os tempos a vestir a camisa da seleção nacional. No Brasil, por incrível que pareça, já se falou que Garrincha ou Ronaldinho Gaúcho (em 2006) eram maiores que Pelé. Já se diz que Messi passou Maradona – menos em território argentino. Que seria “o” melhor da Espanha na história? Dúvida cruel. E na Inglaterra, seria mesmo Bobby Charlton? Na França, Platini ou Zidane? E na Itália? Na Suécia? No Uruguai? E em países menos tradicionais, como Paraguai, Suíça ou Bélgica? Pois em Portugal dizem sem hesitar: Eusébio. Mesmo em tempos de Cristiano Ronaldo.

Eusébio foi jogar bola nos campos celestiais no dia 5 de janeiro de 2014, aos 71 anos. Uma ausência sentida, principalmente considerando que a Copa do Mundo deste ano será no Brasil, que ele conhece tão bem – e não só por causa do idioma. Eusébio foi o primeiro estrangeiro a colocar os pés na calçada da fama do Maracanã. Conduziu Portugal a uma vitória incontestável sobre o Brasil de Pelé na Copa de 1966. Foi descoberto por um brasileiro, Oto Glória. E, embora soe engraçado, é um astro mundial que fala português. Quem duvida que o jogador, nascido em Moçambique, seria figurinha fácil em dias de Copa do Mundo no Brasil?

Aliás, muitos comparavam Eusébio com Pelé. E havia mesmo muitas semelhanças. Ambos eram fortes, velozes, chutavam com as duas pernas e cabeceavam muito bem apesar do tamanho – Pelé mede 1,72m e Eusébio, 1,75m, e ambos podem ser vistos lado a lado em O Mundo das Copas.

Foi Eusébio quem elevou o futebol de Portugal a um patamar inédito. Conduziu o Benfica a dois títulos continentais. Levou a seleção portuguesa a um até hoje inédito terceiro lugar em Copas (em 1966). Foi artilheiro naquela ocasião, com 9 gols (quatro de pênalti, bem verdade, mas gol é gol).

Corta para o ano de 2014. Cristiano Ronaldo é o favorito para levar o prêmio de melhor do mundo da Fifa – a definição sai ainda em janeiro. Na ótica portuguesa, Cristiano Ronaldo até pode ser melhor. Mas dificilmente será maior que Eusébio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display