Panamá tomaria o lugar do México na Copa de 2014?

Se as Eliminatórias da Concacaf (Américas Central e do Norte) para a Copa de 2014 fechasse agora, estaria repleta de surpresas. O Panamá – que nunca foi a um Mundial – estaria classificado. O jogador panamenho mais conhecido do torcedor brasileiro é o zagueiro Baloy, hoje com 32 anos. Ele passou pelo Grêmio (2003-2004) e pelo Atlético-PR (2005). Nas Eliminatórias, Baloy disputou quatro partidas. Mas não chegou a atuar na fase final.

Junto ao Panamá, Costa Rica e Estados Unidos carimbariam o passaporte para o Brasil. Honduras, que esteve na Copa da África do Sul, disputaria a repescagem contra a Nova Zelândia (que venceu o grupo da Oceania).

E o México, grande bicho-papão do continente? Bom, o México, com três empates em três jogos, ficaria de fora.

Se questionado sobre a quinta colocação, uma versão mexicana do técnico Dunga diria macarronicamente: “minha hija, sei si olhaste a tabela, nosotros ainda estamos en la tercera vuelta”. De fato. O México tem mais sete rodadas para reagir. Ou não.

2ª rodada, 22/03/2013

Honduras 2 x 2 México

Estados Unidos 1 x 0 Costa Rica

Jamaica 1 x 1 Panamá

3ª rodada, 26/03/2013

Panamá 2 x 0 Honduras

Costa Rica 2 x 0 Jamaica

México 0 x 0 Estados Unidos

4 pensamentos sobre “Panamá tomaria o lugar do México na Copa de 2014?

  1. Tyler R. Diaz

    O Taiti poderá perder as três partidas por goleada que, mesmo assim, estará fazendo história na Copa das Confederações. Afinal, a seleção jogará uma competição em escala mundial pela primeira vez na história. A vaga veio depois que o Taiti se tornou a primeira equipe da Oceania sem ser Austrália e Nova Zelândia a conquistar o título continental. O feito foi alcançado em junho deste ano, quando venceu por 1 a 0, na final, a Nova Caledônia, que havia protagonizado a grande surpresa do torneio ao eliminar a franca favorita Nova Zelândia na semifinal. Para tentar arrancar ao menos um ponto na Copa das Confederações, os taitianos apostam em uma família, literalemente. Lorenzo, Alvin, Jonathan e Teaonui formam o clã Tehau na seleção. Teaonui é primo dos outros três atletas, que são irmãos, sendo que Lorenzo e Alvin são gêmeos. Se fora de campo, eles possuem esse vínculo, no gramado, eles também têm forte ligação. Isso porque dos 20 gols que o Taiti marcou na campanha vitoriosa, nada menos que 16 foram anotados por um dos Tehau. Outro destaque do time da Oceania é o zagueiro e capitão Nicolas Vallar. O defensor marcou dois gols e foi papel fundamental na campanha do título, tanto que foi eleito o melhor jogador da última edição da Copa das Nações da Oceania.

  2. Micheal Kelly

    O Taiti poderá perder as três partidas por goleada que, mesmo assim, estará fazendo história na Copa das Confederações. Afinal, a seleção jogará uma competição em escala mundial pela primeira vez na história. A vaga veio depois que o Taiti se tornou a primeira equipe da Oceania sem ser Austrália e Nova Zelândia a conquistar o título continental. O feito foi alcançado em junho deste ano, quando venceu por 1 a 0, na final, a Nova Caledônia, que havia protagonizado a grande surpresa do torneio ao eliminar a franca favorita Nova Zelândia na semifinal. Para tentar arrancar ao menos um ponto na Copa das Confederações, os taitianos apostam em uma família, literalemente. Lorenzo, Alvin, Jonathan e Teaonui formam o clã Tehau na seleção. Teaonui é primo dos outros três atletas, que são irmãos, sendo que Lorenzo e Alvin são gêmeos. Se fora de campo, eles possuem esse vínculo, no gramado, eles também têm forte ligação. Isso porque dos 20 gols que o Taiti marcou na campanha vitoriosa, nada menos que 16 foram anotados por um dos Tehau. Outro destaque do time da Oceania é o zagueiro e capitão Nicolas Vallar. O defensor marcou dois gols e foi papel fundamental na campanha do título, tanto que foi eleito o melhor jogador da última edição da Copa das Nações da Oceania.

  3. Dario K. Underwood

    Tudo bem que ainda é novembro, mas a temporada das 120 seleções que sonham com as 31 vagas disponíveis para a Copa do Mundo de 2014 já acabou, após a disputa das eliminatórias asiáticas e outros dois jogos da classificatória europeia ( Montenegro 3 x 0 San Marino e Irlanda do Norte 1 x 1 Azerbaijão) nesta quarta-feira. O fato é que 83 nações já não têm mais chances, outras estão praticamente descartadas e algumas poucas já não veem o Brasil mais assim tão longe, como no caso do Japão, que venceu o Omã e pode carimbar seu passaporte já na próxima rodada, em março.

  4. Esperanza E. Peck

    » África O fechamento da terceira rodada dos dez grupos das Eliminatórias africanas ocorrerá nesta terça-feira (26.03), com as partidas entre Egito x Zimbábue e Argélia x Benin. Entre as seleções mais tradicionais, a África do Sul conseguiu a primeira vitória (2 x 0 sobre a República Centro Africana), após dois empates, e se aproximou da Etiópia, líder do Grupo A. Enquanto Camarões venceu por 2 x 1 Togo e manteve a liderança do Grupo I.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display