África do Sul 1 x 1 México

Carlos Alberto Parreira, brasileiro que treina a África do Sul, tem duas marcas vigentes para a partida de abertura, contra o México, nesta sexta-feira (11/6). Ao ver seu time entrar em campo, ele inicia a disputa de sua sexta Copa do Mundo como treinador, um recorde. E também vê a oportunidade de quebrar a escrita de jamais ter vencido uma partida sob o comando de uma equipe que não fosse o Brasil — fracassou com Kuwait, Emirados Árabes e Arábia Saudita.

Essa segunda marca parecia impossível de ser obtida no primeiro tempo. O México, que atuava com dois laterais avançados (Aguilar e Salcido) e Rafa Márquez ora como zagueiro, ora como volante, tomou conta do jogo. Entre os 30 e os 40 minutos, teve quatro chances claríssimas de abrir o placar e ainda viu o árbitro anular (corretamente) um gol de Giovani dos Santos. Na etapa final, Parreira trocou o instável lateral-esquerdo Thwala  por Masilela, e com isso bloqueou os avanços de Giovani dos Santos pelo setor. Em um contra-ataque rápido, Tshabalala abriu o marcador, aos 9 minutos. E a equipe da casa, aproveitando os decibéis a mais da festa das vuvuzelas, teve uma chance de ampliar (perdida por Modise) e reclamou de um pênalti em Rodríguez no mesmo Modise, aos 24 minutos. O México fez as três alterações a que tinha direito e conseguiu empatar aos 33 minutos, na única falha do zagueiro sul-africano Mokoena na partida. Ele se distraiu em uma linha de impedimento e deixiu três mexicanos livres na cara do gol. Rafa Márquez não perdoou e empatou. No último minuto, Mphela recebeu um lançamento direto do goleir Khune e, de frente para o gol, chutou na trave. Não foi desta vez que Parreira venceu no comando de uma seleção estrangeira. Mas o jogo animou os sul-africanos. Num grupo que ainda tem os espinhosos Uruguai e França, eles são vistos o primeiro país anfitrião que pode morrer na primeira fase de uma Copa do Mundo.

FICHA TÉCNICA

África do Sul 1
Khune; Gaxa, Mokoena, Khumalo e Thwala (Masilela, intervalo); Dikgacoi, Letsholonyane, Modise, Tshabalala e Pienaar (Parker); Mphela. Técnico: Carlos Alberto Parreira

México 1
Pérez; Aguilar (Guardado), Osorio, Rodriguez e Salcido; Rafa Márquez, Juárez e Torrado; Giovani dos Santos, Franco (Javier Hernández) e Vela (Blanco). Técnico: Javier Aguirre.

Gols: Tshabalala (9-2º), Rafa Márquez (33-2º)

Data: 11/06/2010 11 horas
Estádio: Soccer City (Johanesburgo)
Público: 84.490
Árbitro: Ravshan Irmatov (UZB)
Assistentes: Rafael Ilyasov (UZB) e Bahadyr Kochkorov (QUI)
Cartões amarelos: Juárez, Dikgacoi, Torrado, Masilela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display